sábado, 23 de fevereiro de 2008

Seja desconfiado, sempre (ou golpe via classificados)

Pessoal, ontem infelizmente passei por uma terrível experiência, mas me sinto na obrigação moral de compartilhá-la, até como alerta a vocês. Há duas semanas anunciei a venda de meu notebook nos classificados. Havia adquirido um no final de 2006 quando estive lecionando na UFPA. Mas no momento, pressionado por algumas dívidas, poderia me desfazer dele sem problemas. Inicialmente tentei oferecê-lo aos amigos mais próximos e ainda no MercadoLivre, mas sem sucesso.

A propósito, o anúncio no MercadoLivre tornou-se um grande estorvo. Um golpista safado insistia em comprar, forjava e-mails do MercadoLivre, PayPal, Bank of America e até Banco do Brasil para tentar induzir-me a enviar o produto a partir de um (falso) comunicado de pagamento . Acabei desistindo.

Anunciei entãos nos classificados "tradicionais" de um jornal de grande circulação aqui em Belém. O anúncio foi publicado no mesmo final de semana. Na quinta-feira, recebi o contato de uma mulher chamada "Michele" que mostrou muito interesse em adquirir o aparelho. Combinamos em casa na sexta-feira, 8, mas ela não aparecera. Na semana seguinte, como vocês acompanharam, estive representando minha empresa no Campus-Party Brasil. Como tal mulher insistisse em ligar para casa posterguei qualquer contato para quando estivesse de volta.

Regressando à Belém, "Michele" contactou-me novamente para ver o aparelho. Acabei combinando na quinta, às 19h. Às 21h, chegam em casa a dita "Michele" e um rapaz que se disse ser o namorado que entende de informática. Infelizmente na exata hora em que chegaram eu estava quase cochilando na sala e só me dei conta quando minha esposa já tinha dado entrada a eles. Estranhamente, não demonstraram interesse pelo notebook (não perguntaram configuração, motivo da venda, tempo de uso... nada). Logo em seguida, os dois se aproximaram de um canto e o filho-da-puta indivíduo sacou de uma arma da bolsa da mulher. Naquele instante, quase tive um treco, não percebi mais meus pés no chão e estive a ponto de desfalecer. Os dois pegaram as chaves da casa, fecharam as janelas, e deram entrada a outros dois bandidos também armados...

Os cerca de 45 minutos que se seguiram foram de intensa agonia. Tudo bem que -- graças à Deus e a nosso anjo da guarda -- sem violência, mas com muitas ameaças verbais e o deboche próprio dos vagabundos. Tivemos de assistir incólumes a toda a nossa casa ser saqueada. Eu disse TODA! A rigor, deixaram-nos apenas com as roupas do corpo e os eletrodomésticos maiores. Desde sandálias e roupas íntimas levaram... Celulares, dinheiro, relógios, muitas peças de roupa, equipamentos do computador, malas de viagem... Não levam a tevê por não conseguirem carregar. Depois de uns telefonemas, lá fora um taxista parecia aguardá-los. Trancaram-nos então em casa e levaram consigo o molho de chaves. Por sorte, conseguimos sair pois os patetas não se aperceberam que eu trazia comigo também minha cópia das chaves em meu bolso. Obviamente, trocamos todas as chaves de casa após isso.

Okay, mas o que aprender com essa experiência? Que não se deve descuidar da segurança em nenhuma hipótese nem por um único instante. No ímpeto de conseguir vender a mercadoria, acabei errôneamente abaixando meu desconfiômetro. Fazendo um balanço, agora posso enumerar os pontos ou dicas de segurança que poderiam ter me ajudado a evitar este golpe dos classificados. Terá valido meu dia a pena se uma das dicas abaixo lhes for útil de alguma forma:

  • dê um telefone com identificador de chamadas como contato do anúncio;
  • peça sempre um telefone fixo para contato com o interessado. Não aceite somente contato por celular ou e-mail;
  • sempre indague bastante seu possível cliente: onde mora? por que quer comprar? no que trabalha? tem outras ofertas em vista?
  • se preocupe em fazer mais perguntas sobre o produto ao cliente que respondê-las. Se o cliente realmente está interessado, ele se informou e sabe algo sobre o que quer;
  • seus dados são sagrados. Se policie para nunca mencionar diretamente seu endereço e de seu trabalho, seus números telefônicos e nomes das pessoas próximas a você;
  • nunca combine de fechar a transação em sua casa. Se possível, combine em locais amplos e com grande fluxo de pessoas, como shoppings centers ou praças, e melhor ainda se puder ir com acompanhante;
  • nunca combine de ir à casa da pessoa que lhe contactou. Vale inclusive se você for cliente. Aliás, tenha em mente que estelionatários e assaltantes também publicam anúncios nos classificados;
  • saiba blefar! Mencionar despretenciosamente, num contato telefônico, aquele colega da vizinha do seu tio que é investigador da polícia não custa nada, não?
  • pense como um bandido. Faça um exercício de esquecer seu autruísmo. Se você fosse mal-intencionado(a) e dependensse disso para comer no dia seguinte, o que você seria capaz de fazer?
  • por fim: seja desconfiado, sempre! Recuse imediatamente propostas que pareçam muito fáceis ou demasiadamente vantajosas. Fale em dinheiro logo nos primeiros contatos. E converse sempre o que for possível sobre o que está havendo com seus amigos, familiares e colegas de trabalho para trocar opiniões.

Bem, como não poderia deixar de ser, este post tornou-se muito longo. Espero sinceramente ajudar a que mais pessoas não sejam vítimas de qualquer golpe desse tipo como eu o fui.

É isso.

13 comentários:

Lane disse...

Égua !
Esses patifes não merecem a liberdade pois são perigosos a sociedade,denucie imediatamente para a policia porque que não dá para eles fugirem com tantas coisas rapidamente,siga os ratros até alcançalos,eles concerteza faram isso com outros e pode não ser tão tranquilo,vidas inocentes podem estar a perigo.

Vai logo !!!!

BOA SORTE !!!

Abraço

Marcelo Andrade disse...

Grato, Lane!

Fiz a ocorrência tão logo possível.
Resta ter fé em Deus e confiar no trabalho da polícia.

odlaniger disse...

Marcelo,
Presto minha solidariedade com você e sua família. Estamos vivendo em um mundo cão, sem direitos assegurados. Esse estado de anarquia social nos leva a tomar medidas de segurança em que nós passamos à condição de prisioneiros do desconhecido. Pena que nossos filhos tenham de aprender a viver dessa maneira. E nós é que teremos a obrigação de ensiná-los.
Vou usar teu post para divulgar entre meus alunos. Espero que tua triste experiência, bem relatada, sirva de alerta a pessoas que ainda não perceberam o momento de insegurança total.
Lourenço.

ASF disse...

Marcelo,

Também venho prestar minha solidariedade a você e a sua família, fiquei indignado com esse acontecimento.

Eu tenho a certeza de que você vai superá-lo completamente e pode contar com o apoio dos seus amigos para isso.

Acredito que que você fez a coisa certa ao recorrer as autoridades, agora resta-nos confiar que as devidas providências serão tomadas, desde a investigação do ocorrido até a punição exemplar de todos os envolvidos.

E o que é mais importante, o seu relato serve de alerta e fornece informações inestimáveis que ajudarão outras pessoas a se proteger mais contra esse tipo de golpe.

Um abraço,

ASF

Toninho disse...

Egua Marcelo, que coisa, cara. Graças a Deus eles não fizeram nenhuma maldade, pois esses F$#¨$%# são tao F$#%$#, que nao se pode confiar em nada, semana passada um amigo meu levou um tiro na cabeça em um assalto, entao fica aqui meu aviso a vcs amigos, NUNCAAAAA REAJAM.

Marcelio Leal disse...

Caraca rapa...
É uma situação muito horrível mesmo...
Graças a Deus tá tudo bem.
O negócio é dar a volta por cima e não cair no erro novamente mesmo.
Valeu ae pelas dicas.

Alessandra disse...

Bando de fdp mesmo. Merecem morrer. Ou pior, merecem tortura física!

Elinaldo Azevedo disse...

Caramba!!!!!
Infleizmente, somos obrigados a torcer para não acontecer nada novamente, pois na situação que nos encontramos, estamos sujeitos a tudo. Não é a polícia que vai nos ajudar, nem nossos vizinhos, somente Deus para nos tirar das enrrascadas.

Mas dá uma vontadade de pegar esses filhos da p..., não é?
Pô Marcelo, tenta ver se coloca um cachorro tipo um Rott-pastor-Bull obediente e quando tu venderes novamente alguma coisa, deixa ele no teu lado, hehehhe.

Abraços, felicidades.

Haroldo disse...

Fala Marcelão!!
Cara, lamentável isso.
Mas estamos aprendendo com o seu que também é nosso sofrimento.
Abração.
Haroldo Dias

Luiz disse...

Lamento muito o que aconteceu com você. Na sociedade em que vivemos hoje temos que viver em clima de guerrilha, enquanto eles estão aí fora cometendo seus delitos, temos que ficar enjaulados.

Fica aqui a minha indignação contra o acontecido com você Marcelo.

E no que eu puder ajudar, pode contar comigo. A sua superação será rápida.

Que Deus continue protegendo os bons, como protegeu você e sua família do pior.

Abraço.

Luiz Sanches.

Marcelo Andrade disse...

Amigos(as), é isso. Agradeço pela solidariedade e apoio. É um fato que estamos sujeitos à violência dos dias de hoje. Infelizmente temos que aprender a conviver com ela.

Pensando cá com meus botões, tem-se que as roupas um dia sairão de moda; equipamentos de informática amanhã haverá melhores e mais baratos... Mas a vida é insubistituível. Não reagir é importante.

Agora realmente esta mensagem é de alerta. Sejam espertos. Ainda que tivesse perguntado ao jornal, p.ex., em quanto tempo em média devem-se esperar propostas pra um anúncio nesta época, não tive nenhuma orientação sobre como conduzir o caso.

Segundo investigador Borges da seccional do Guamá, os classificados são intensivamente usados por maus-elementos e o único bem que ainda se consegue negociar com sucesso por este meio são automóveis. Assim, talvez a melhor medida de precaução seja mesmo evitar fazer anúncios de equipamentos nos classificados.

PotHix disse...

Æ!!

Nossa Marcelo...Muito ruim cara...Não sabia do ocorrido até você postar na GTD-br.
Realmente devemos tomar cuidado com esse tipo de venda, agora terei mais cuidado ainda quando for vender algo.
O caso se resolveu? Você conseguiu recuperar algo?

Por sorte ninguem se machucou.

Há braços

vorrang disse...

Caramba! Essa é mesmo a nossa realidade... E eu estava pensando em me desfazer de umas coisas vendendo-as... Acho melhor desistir, pois por mais precaução q se tenha, não há garantias. Mesmo indo a um lugar público acompanhado, o mau caráter com uma arma vai em frente com o seu objetivo.
Bandido bom é bandido morto!